Os Axiomas de Moyamba: Trading Bem Feito é Muito Complicado!

Eles dizem…

Trading é difícil e a maioria dos que tentam acabam perdendo tudo, portanto você deve estar preparado.

 

Os fundos contratam nerds do MIT para criar algoritmos super complexos para investir. Como você não se formou no MIT, o jeito é usar muitas ferramentas de análise técnica para saber o que fazer.

 

Por exemplo: se o MACD, o Volume, o IFR, o Trix, o Momento, as Bandas de Bollinger e as Médias Móveis Exponenciais te dão um sinal de compra nas escalas temporais mensais, semanais, diárias e intra-diárias, aí é certeza de um ótimo trade, 100% garantido!

Será que eles estão certos?

É claro que não, muito pelo contrário!

“Eles” estão sempre errados…

E esse tipo de ideia maluca me lembra de algo bem interessante:

Na década de 30 ou 40, Anthony de Saint-Exupery, autor de “O Pequeno Príncipe” e piloto de avião na Segunda Guerra Mundial disse uma coisa que eu achei o máximo:

A perfeição é atingida num projeto não quando não há nada mais para acrescentar, mas sim quando não há nada mais para tirar.

A frase fala sobre a importância do uso apenas do que é necessário, eficiente, sem frescuras. É muito comum a melhor forma de se fazer algo eficientemente ser do modo mais simples possível.

No trading não é diferente, e é na verdade uma das áreas que melhor demonstram o caos derivado de sua complicação desnecessária.

Para ilustrar esse caos… um exemplo!

Como Criar a Pior Estratégia de Trading Possível

Vamos criar um sistema de trading super lixo? Sim! Horray \o/

Hmm, o que devemos usar? Ok, gráficos de candlestick porque eles são legais e o indicador de volume, que é padrão, o que mais? Oscilador MACD para sabermos a força dos touros e dos ursos, sagaz não? Mas ainda é pouco… que tal adicionarnos duas variações do Índice de Força Relativa (RSI) para nos dizer quando tal coisa está muito comprada ou muito vendida? Claro! Ótima idéia, põe também! Agora não vamos nos esquecer dos envelopes! Não, não! Bollinger Bands! Naahh, vamos usar os dois!! Porque afinal, se duas cabeças pensam melhor do que uma, duas, três, cinco ou vinte ferramentas devem funcionar melhor do que uma também!

Um ótimo motivo para se usar uma ferramenta, né? Né?

Uma ótima ferramenta da análise técnica!

Estamos quase lá… hmm, ahhh! Vamos usar também o Trix! Porque? Eu não sei nem como ele funciona mas o nome me lembra do Twix e eu gosto de chocolate com amendoim, é um bom motivo né? Né? Ok, será que podemos continuar melhorando? Certamente! Usarei o Momento/ROC porque ele me lembra daquele filme Memento com o Guy Pearce e eu gostei muito daquele filme! Para concluir só falta uma Média Móvel Exponencial, o Parabólico, Fibonnaci, hehe, aposto que na escola os amiguinhos o chamavam de Fibo hahaha, ah é, falando nisso… porque é que às vezes em italiano se faz som de “tê” quando se tem um “cê”? Puta palhaçada… ahh é, sim, claro, o sistema, hmm, desenho algumas Linhas Verticais de Tendência pra ficar tudo perfeito e fim. Ok, como ficou?

Exemplo montado com o software Apligraf

Ok, o quê diabos é isso? Sério, você conseguiria trabalhar usando um gráfico assim? Entupido de poluição visual? E outra, será mesmo que usar 300 ferramentas ao mesmo tempo o ajudará a notar mais fácil e claramente, boas oportunidades para operar? Não! Porque não? Pois todas essas ferramentas simplesmente irão entrar em conflito com elas mesmas, ou seja, você SEMPRE receberá sinais conflitantes.

Imagine que o MACD te diz que uma compra é possível mas o Momento diz que é melhor esperar, ou o Trix apresenta um sinal atraente mas o volume é muito duvidoso. O que tem de errado nisso? Nada, alguns sinais conflitantes podem ser úteis pois te dizem que o trade pode ainda não estar no melhor ponto para ser executado, se é que chegará nesse ponto. Porém quando você usa muitas ferramentas, será extremamente improvável não existirem muitos sinais conflitantes o tempo todo. O MACD irá discordar do IFR que cuspirá no Fibonacci que brigará com o Volume que xingará a mãe do Trix que chutará as bolas do saco do Momento e por aí vai, no final, você não fará nada, ficará apenas frustado e muito, muito confuso.

É um erro comum de iniciantes o uso excessivo de ferramentas, esse erro complica o que deveria ser simples. Eles acabam usando ferramentas demais sem entender direito para o quê exatamente elas servem e depois acabam sofrendo. O ideal seria aprender muito bem algumas poucas ferramentas e então fazer o uso apenas delas. Por exemplo:

Muito melhor uh?

Muito mais limpo! Nesse caso você tem gráficos Candlestick, Volume, Momento/ROC, MACD e Envelopes. Não tem nem comparação com o caos do gráfico anterior. Aí é claro, você pode não gostar do Momento, então tire-o. Ou você odeia o MACD, não tem problema, tire também, use apenas as ferramentas com as quais você se identifica melhor, esqueça todas as outras. Eu gosto de Candles, Volume, Linhas de Tendência e IFR (como sinal de alerta), só essas. Mas talvez você não queira usar nem isso, não gosta nem de gráficos! Só dos preços e do volume! Tudo bem, basta anotar diariamente em um caderninho os valores da abertura, fechamento, mínima e máxima de cada papel, exatamente como o Jesse Livermore e o Nicholas Darvas faziam. A variedade de combinações é muito ampla, apenas lembre-se de usar aquilo que você gosta e entende, sem complicar as coisas, sem abusar do uso indiscriminado de ferramentas. O objetivo é a eficiência.

Como Perdi Tempo Complicando Relatórios

Simples, simples...

Devia ter pensado nisso antes…

Outro lugar onde as coisas podem ficar complicadas é nos relatórios das operações. Quando comecei a operar, usava 3 folhas detalhando a operação, na primeira eu fazia o planejamento do trade, um resumão do que faria quando X acontecesse, onde colocaria o stop e etc, na segunda folha, escrevia sobre minha entrada e na terceira, sobre a saída. Todas as páginas tinham gráficos e depois da operação eu convertia tudo em PDF pra ficar bonitinho, e ficava. O problema era que eu levava horas preparando esses relatórios e de vez em quando era uma perda total de tempo.

Por exemplo, 2 horas na operação e eu era stopado, mesmo assim eu precisava terminar o documento, só que ficava ridículo! Era até irritante, nesse caso a terceira folha teria o gráfico de saída marcado com o ponto onde fui stopado e o comentário: “Stopado em 34,48”. Super inútil. Pior era quando eu decidia entrar comprado quando tal papel chegasse em 25 reais. Eu ia escrever a primeira folha, a de “Planejamento da Operação”, mas o papel nem chegava no preço! Não tinha trade! Eu nem era stopado nem nada, mas mesmo assim eu já tinha feito o planejamento! Por escrito! Detalhadamente! Ser stopado direto quase não me aborrecia, mas a perda de tempo com alguns dos relatórios definitivamente me incomodava mais do que eu gostaria de admitir.

Aí teve um dia em que eu não tinha absolutamente nada pra fazer e decidi pegar alguns avisos de negociação de ativos, os ANA’s, que recebemos pelo correio da Bovespa. Eu estava olhando e tal, aí de alegre peguei um papel A4 e comecei a lembrar das operações só de olhar os preços, eu pegava o ANA e escolhia a primeira operação, TMAR5, aí eu lembrava do que tinha feito no trade e me julgava de acordo com minha performance, se eu tinha seguido meu sistema corretamente, eu me dava uma nota mais alta, se eu tivesse feito merda, mesmo tendo lucro, eu me dava uma nota baixa. Todo esse processo de analisar trades antigos e me dar notas para cada um deles, me ajudou muito à corrigir alguns erros, além disso foi divertido. Epa, mas peraí, eu fiz isso sem nem encostar nos relatórios em PDF que levavam horas para serem completados, usei apenas os ANA’s. Eu nem poderia usá-los pois minha HD tinha ido foi pro saco um dia antes levando tudo que eu tinha, tudo, TUDO, todos os relatórios, TODOS ELES!

Meus registros... ódio. Ódio! Ódio ÓDIO ÓDIO!!!!!! Aahhhhhhhhhhhhh!!

Meus relatórios… ódio. Ódio! ÓDIO ÓDIO!!!!!! Aahhhhhh!!

Depois dessa experiência eu decidi, depois de comprar uma HD nova, simplificar todo o processo de relatórios dos trades. Eu simplesmente pegava uma folha comum e anotava o trade, tipo, CX: 30 S: 29,50 T:300, ou seja, compraria X se chegasse em 30 reais, se depois de chegar nesse valor, caísse para 29,50 eu seria stopado e o tamanho inicial de minha posição seria de 300 ações. Eu não fazia relatório nenhum, nada. Se a operação fosse iniciada, chegando no CX, aí sim eu tirava uma screenshot e colocava num arquivo do Word junto de apenas a data e os valores CX, S e T. Aí conforme eu subia o stop e chegava na saída, continuava anotando tudo na mesma folha de papel, apenas quando o trade chegava ao fim que eu tirava outra screenshot, passava todos os dados de saída com os valores e anotações para o computador e convertia pra PDF. Muito mais rápido e fácil.

Esses relatórios novos tinham apenas uma folha, com dois gráficos, as anotações eram medíocres, não tinha o porque eu ficar enrolando, eu só fiz o que meu sistema disse pra eu fazer, logo, a maioria dos registros tinham apenas as fotos, as datas e os valores iniciais da operação. Eu só escrevia alguma coisa se eu tivesse feito algo de errado ou achasse que valia a pena mencionar alguma coisa. Sinceramente não tem muito o que aprender quando você faz tudo certo, por isso eu me dedico muito mais às anotações quando eu faço alguma coisa errada, e isso não inclui ser stopado imediatamente, se você tiver segue seu sistema corretamente, ser stopado não conta como erro. Não seguir o sistema é um erro. Agora, se seu sistema é uma droga, aí você está errado desde o começo.

Mas voltando. Com meu novo estilo de relatórios eu diminuí consideravelmente o tempo gasto. Como eles tinham gŕaficos, era mais fácil lembrar de trades antigos já que só pelo preço é impossível se lembrar de todos. Por isso, comecei à usá-los no lugar dos ANA’s e ainda fiquei com vários relatóriozinhos prontos para serem analizados quando eu não estiver fazendo nada. Pode parecer chata a idéia de ficar revisando trades antigos mas é muito divertido e uma grande fonte de informações, isso se você tiver relatórios simples, compactos e com todas as informações realmente importantes, que costumam ser poucas, caso contrário você não terá nem saco de escrevê-los e muito menos de olhá-los depois. Novamente, eficiência através da simplicidade, portanto lembrem-se:

'Nuff said!

‘Nuff said!

E você leitor? Já teve a mania de complicar as coisas? Enrolou-se com indicadores? Conte como foi!



Descubra Como Conquistar a Sua Independência Financeira Em Apenas 10 Anos Investindo Só R$200 Por Mês!

Você vai descobrir...

  • Porque as maneiras mais populares de se atingir a independência financeira só estão fazendo você perder tempo (e oportunidades).

  • Quanto tempo você realmente tende a levar para atingir a sua independência financeira.

  • Porque a bolsa de valores pode acelerar a sua acumulação de capital em mais de 2x com toda a segurança do mundo.

  • O quê fazer para conquistar os seus objetivos da maneira mais rápida, fácil e simples possível.


7 Comentários Os Axiomas de Moyamba: Trading Bem Feito é Muito Complicado!

  1. Weberson

    Clap Clap Clap,

    Me identifiquei em gênero, número e grau com o texto acima. Sou virginiano e as vezes (para não dizer na maioria delas), me vejo criando burocracia para controlar “burro-cracia”. E o mesmo que criar uma planilha para controlar o que as outras “trocentas e tantas” outras planilhas fazerm.

    O mais pode significar menos. Na maioria das vezes. A 2 semanas atrás me apresentaram o Setup do Stormer sobre a MME9. De lá para cá, meus trades (daytrades para ser mais preciso) mudaram e muito. Gráfico limpo, indicadores zero. Só uma MME9 para indicação e mais nada.

    Mas para ser do contra coloquei um TRIX para confirmar o sinal da MME9. E me prometi “para mim a mim mesmo” que não colocaria mais nada.

    Tudo é simples. O complicado é o ser pensante, ou seja nós.

    Parabéns pelo excelente texto.

    []´s

    Responder
  2. F.Leopard

    Gostei muito do seu texto. Ainda não opero na bolsa, só no simulador. Estou no momento me propondo a estudar sobre day-trade. É ao que me parece a forma de investimento (ou melhor, especulação), que mais se aplica a minha personalidade. Penso como vc, não adianta fazer um mapa astrológico de um ativo. O poeta Heine disse certa vez: “Se os romanos tivessem que aprender o latim, nunca teriam tempo para conquistar o mundo”. Obrigado pelo texto e bons trades.

    Responder
    1. Hugo

      Fábio (tá no e-mail então deve ser :P), o problema é que muitos traders vêem a especulação como uma ciência, um puzzle a ser resolvido. Só que a especulação não é uma ciência, tá muito mais para uma de humanas apesar de não parecer.

      De qualquer forma, se você quer fazer day-trades, sinto muito hehehe.

      Essa é a modalidade mais cara de trading e de longe a mais extressante. Se for sua praia, vá em frente, mas muuuuuuuuuito aos poucos e primeiro com o simulador. Como eu disse em resposta ao seu outro comentário: “Roma não foi construída em um dia só”, ou algo do tipo 😛

      Abraço,
      Hugo

      Responder
  3. Wilson Vieira

    Hugo… não sei se isso aqui esta abandonado, mas… Esses relatórios (Os mais interessantes deles pelo menos) poderiam ser disponibilizados?

    Responder
      1. Wilson Vieira

        Relendo agora, nem eu mesmo entendi kkk
        O que eu queria ver era um relatório de trading seu, do seu arquivo pessoal. Por mais que você tenha explicado como faz (com os gráficos do dia da compra e do dia da venda, valores, stops e o caralho aquático) eu queria ver como vc monta tudo isso de um modo harmonioso.

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *