Vale a Pena Utilizar a Análise Técnica?

Sim, é relevante a analise técnica, quando avaliamos uma ação. Alguns fundos imobiliários também podem ser avaliados pela analise técnica, porem é mais difícil.

Para conseguir avaliar o gráfico de algum ativo, e assim, mensurar se existe um ponto de entrada, ou se é melhor esperar, é necessário que haja movimentação no mercado.

Ou melhor, os investidores precisam estar vendendo e comprando tal ativo. Sem essas negociações o gráfico perde sua razão de existir.

Ativos sem movimento não geram gráficos. Muitos FII possuem movimentação bem pequena diariamente, sendo que alguns chegam a nem possui movimentação.

Hoje, fora as ações, um ativo que consegue gerar movimentação parecida, e assim, pode ser avaliado pelo gráfico, é BOVA11.

Então, já sabemos que para analisar um ativo por meio dos gráficos, o mesmo precisa estar tendo o mínimo de negociações diárias, mas e ai, é só olhar?

Analise Gráfica

Utilizando alguns estudos sobre analise gráfica, o investidor vai poder identificar pontos de entrada, para comprar determinado ativo.

Caso você esteja comprado em alguma ação, é possível avaliar se não é uma boa hora para sair.

Aqueles que investem analisando os fundamentos das empresas, também podem utilizar a analise gráfica para melhorar ainda mais o estudo.

Por exemplo, vamos supor que o mercado está “tranquilo”, as ações vêm andando um pouco de lado, e subindo de vagar, se valorizando, e você, investidor não tem ideia se amanhã ela vai cair, ou não.

Mas sabe que pelos fundamentos da companhia, a ação é um ótimo investimento. Então a compra é certa, mas o momento não tanto…

O investidor a partir desse momento fica encarando o Home broker, pensando se não está comprando o ativo muito caro.

Do mesmo jeito que pensa dessa forma, vem outro pensamento, “e se o ativo ficar ainda mais caro?”.

Nesse momento, para tirar a duvida, ou pelo menos, gerar uma argumentação que a compra possa ser executada ou adiada, a analise gráfica entra.

Colocando alguns estudos em pratica, e desenvolvendo os mesmos em cima dos gráficos da companhia, o investidor vai poder avaliar se aquele momento é oportuno ou não.

É certo que isso vai funcionar?

Não, definitivamente não. Se o leitor pensar que existe uma formula exata, que aplicando aquela estratégia um mundo novo ira se abrir, você, infelizmente está redondamente enganado.

Existe sim, uma taxa de acerto interessante quando aplicamos tais técnicas. Mas mesmo assim, ainda não a sinal de certeza.

Por exemplo, quando a presidente Dilma estava no poder, o dólar estava subindo sem parar.

Chegando a passar dos R$ 4,00, correto? Pois então, pela analise gráfica do dólar havia uma tendência de alta ainda.

E muitos especialistas comentavam que poderia subir mais, porem o impeachment aconteceu. O impeachment não é um processo que está no preço do dólar, ou de qualquer ativo.

Muitos especialistas da área acabam falando que determinados acontecimentos já podem estar fazendo parte do valor da ação.

Às vezes acontece o seguinte, uma empresa está prestes a fazer a divulgação do balanço trimestral.

Nesse relatório o mercado vai ficar sabendo se houve lucro ou prejuízo. Então a noticia é que a empresa obteve lucro!

Eeeeeeeee! Maravilha não é mesmo? Quem não gosta de lucro? Mas no outro dia, depois da noticia a ação da companhia desaba!

Ela estava a R$ 10,00 e abril o mercado valendo R$ 9,00! Uma queda de 10% Mas como isso? Porque uma empresa que obteve lucro pode cair tanto no pregão logo após o anuncio?

Então vem a resposta, de que o mercado esperava um resultado maior do que o auferido. Ou seja, mesmo havendo o lucro, ainda existia certa expectativa sobre o resultado.

Esse resultado menor, não estava no preço da ação, portanto, houve uma correção após a noticia.

Complicado não mesmo? Esse tipo de coisa, às vezes é possível pegar pelo gráfico também. A crise de 2008 também não foi captada por gráficos, com antecedência.

As pessoas que estavam, levando mais em consideração só acontecimentos na hora, puderam tomar medidas para proteger o capital.

Resumindo a opera, utilizar a analise gráfica, mais a analise fundamentalista, pode ser muito proveitoso para o investidor.

São duas formas de encontrar caminhos, que muitas vezes, podem nos levar ao mesmo lugar.

Agora chegou a hora de alguns exemplos de analises gráfica…

Exemplo de Analises Gráficas…

Vamos mostrar algumas analises que podem ser feitas em cima de gráficos. A primeira é referente às três fases do mercado de alta ou de baixa.

Essa analise é bem interessante para determinar em que ponto o mercado se encontra. Sendo possível utilizar tanto para um índice, quando para qualquer tipo de ação.

O gráfico é referente ao índice Ibovespa. Perdido de 2002 até 2008. Fizemos três círculos (meio ovais) para determinar cada fase do gráfico.

  • Acumulação: Na fase de acumulação, o ativo esta andando de lado, porem, existe uma força de compra, que equilibra o mercado. Ou seja, o mercado já vinha de um período de queda. A queda é interrompida pelos investidores que estão comprando o ativo.

 

  • Alta: O mercado já reconhece o movimento de compra, então o ativo começa a subir. Nesse momento, os resultados das empresas, e o contexto econômico do país podem beneficiar ainda mais a analise positiva sobre o mercado. Tudo favorece o investimento.

 

  • Euforia: Nessa fase, a terceira e ultima a noticia que a bolsa de valores é tudo e mais um pouco já se espalha pela grande mídia, tornando quase todas as pessoas investidoras em potencial. O momento na realidade deve ser avaliado com certa precaução, pois as euforias nunca duram para sempre. É possível analisar que nesse momento ações que nunca tinha quebrado certa barreira de valor, agora ultrapassarem. Mesmo companhia que não possuem resultado equivalente ao tamanho da valorização.

Deu para entender? Na realidade o negócio é bem simples caro leitor. A primeira fase, geralmente ninguém percebe.

Muitas vezes o mercado pode parar de cair, e de repente, volta a cair. A bolsa é assim, imprevisível.

Então o mercado anda de lado, como se fosse o normal, aquilo de sempre, e de repente, quando ele poderia vir a cair, ele começa a subir.

Sobe de maneira gradual. Valoriza dois dias, e cai mais um dia, então valoriza novamente, e assim por diante.

A ultima fase, com certeza é a mais fácil de entender. É só olhar o gráfico, quando o mercado subir em um período, algo em torno de 30%, 40% em um ano, então estamos na euforia!

Nesse momento o leitor pode estar se perguntando (mas e 2016, quando a bolsa subiu mais de 30%, ela pulou todas as fazes, chegando à euforia?).

Não, em 2016, a valorização de nossa bolsa, foi tecnicamente uma correção. Digo isso porque, se o governo federal não estivesse cometendo erros com relação a nossa economia, o índice Ibovespa, era, para ao menos estar nos atuais patamares (60 mil pontos).

O que ouve foi uma correção. Lembrando que nosso índice já chegou a bater os 70 mil pontos, há quase 10 anos atrás! Isso que dizer que desde lá ele nunca mais chegou em tal marca.

Teoria de Dow, Tendências.

Uma das formas de analise gráficas mais utilizadas pelos especialistas é por meio das tendências.

Tendência primaria, secundária e terciárias. Essas três tendências, acabam auxiliando o investidor a observar, e achar oportunidades no gráfico.

O gráfico é referente à ação PETR4, do período de Fevereiro até Março de 2017. O canal é de baixa, ou seja, uma tendência de baixa.

Marquei dentro desse canal, cinco tendências, sendo que uma serve para formar duas sequencias. Já estava esquecendo, existe ainda esse canal de baixa, que pode ser considerado como uma tendência.

  • A primeira tendência, geralmente é mais longa das três. Ela serve para mostrar se o ativo em questão vai para baixo, ou para cima. A duração da primeira pode chegar a anos, em grande parte, a valorização ou desvalorização pode ser grande, já nessa primeira tendência.

 

  • A segunda tendência, geralmente é de queda, ou de recuperação, alta. No caso do gráfico, é de alta. Uma ação, por pior que esteja não apresentara só movimento de queda, portanto fique atento as possíveis valorizações que possam acontecer.

 

  • E por fim, a tendência terciária, funcionam de maneira similar as secundárias para as primeiras. Geralmente é uma tendência menor e vai desvalorizar ou valorizar ainda mais o ativo. No exemplo a terceira tendência ficou bem grande, uma vez que ela também faz parte da segunda sequencia, passando a ser a primeira tendência.

Como vou utilizar esses dois estudos?

Vamos supor que o leitor queira comprar PETR4, observando o gráfico da demonstração anterior, seria preciso ficar atento ao movimento de acumulação que houve no final do canal.

Bem no final do canal do gráfico de PETR4, o preço da ação começou andar de lado, chegando a ficar de fora das barras do canal de queda.

Quando isso acontece, pode significar uma mudança de tendência. Ou seja, ao invés de descer ainda mais, o ativo pode estar próximo de se valorizar.

Houve uma estagnação no valor da ação, e realmente, depois desse movimento de lado, PETR4 obteve uma alta quebrando a tendência de queda existente anteriormente.

Vale lembrar que os gráficos de PETR4 estão sendo usados com tempo de 60 minutos.  No final das contas, se o investidor se utilizasse da analise gráfica para observar o melhor os ponto de compra e venda, poderia ter conseguindo realizara aquisição abaixo dos R$: 14,00, ou venda de acima dos R$ 15,00 (no gráfico de PETR4 de queda).

Mas e ai? Vale a pena essa Analise Gráfica?

Vale sim! Ainda mais, se a analise fundamentalista estiver acoplada na mesma. Usufruindo do potencial que analise gráfica e fundamentalista possuem, podemos realizar boas operações no mercado.

Por meio dos fundamentos das empresas, conseguimos avaliar quais são as que estão em melhor situação e aquelas que possuem um grau de especulação maior.

Adicionando analise gráfica conseguimos colocar pontos de entrada, e saída em nossas operações.

Mesmo o investidor sendo um clássico buy and hold, poderia utilizar da análise gráfica, para decidir o momento mais apropriado para entrar em determinado ativo.

E para aqueles que gostariam de fazer dinheiro pelo mercado de capitais, como Trader, a analise gráfica será algo fundamental!

Em operações de curtíssimo prazo, coisa que pode levar menos de uma hora, ou até segundos, a análise fundamentalista, é praticamente inexistente.

Sendo que o fico fica todo na área gráfica. Portanto, é necessário muito estudo, para conseguir aplicar todas as teorias dos estudos gráficos em suas operações.

 



Descubra Como Conquistar a Sua Independência Financeira Em Apenas 10 Anos Investindo Só R$200 Por Mês!

Você vai descobrir...

  • Porque as maneiras mais populares de se atingir a independência financeira só estão fazendo você perder tempo (e oportunidades).

  • Quanto tempo você realmente tende a levar para atingir a sua independência financeira.

  • Porque a bolsa de valores pode acelerar a sua acumulação de capital em mais de 2x com toda a segurança do mundo.

  • O quê fazer para conquistar os seus objetivos da maneira mais rápida, fácil e simples possível.


10 Comentários Vale a Pena Utilizar a Análise Técnica?

  1. Cezario Jurista

    Hugo, mesmo alguém que nunca curtiu muito matemática, exatas em geral, e sempre adorou humanas (mas que saiba se virar com números sem se aprofundar muito, mexendo apenas com regras de trés, porcentagens, etc) – conseguiria esse cara dominar as poucas e melhores ferramentas da AT (médias etc)?

    Quais matérias da matemática (exatas) especificamente ele precisa dominar bem? Os Home Brokers ajudam bastante nos cálculos?

    Abração!

    Responder
    1. Hugo Teixeira

      Eu fiquei de recuperação em matemática e física em praticamente todos os semestres do ensino médio.

      Tudo bem que na época eu ficava programando jogos em linux ao invés de estudar ou prestar atenção nas aulas mas o importante é que não, você não precisa ser bom de cálculo.

      Pode ajudar, mas não é obrigatório.

      Programar com certeza me ajudou, mas também não é obrigatório.

      Abraço,

      Hugo

      Ps: as plataformas gráficas fazem quase tudo. 😉

      Responder
      1. Fontão Diplomata

        Valeu, Hugo! Só vi agora… rsrs

        Ahhh, 2) SOBRE ESSA SUA TROCA DE MENSGAENS NO “SENHOR MERCADO” ABAIXO:

        – George disse:

        Caro Hugo!

        Parabéns pelo seu material! Já recebi todos os emails e me diverti bastante além de aprender muito.

        Cara… Estou patinando demais no mercado de capitais e preciso finalmente encontrar o meu caminho.

        Queria muito ter certeza de que seu livro pode me ajudar com isso.

        Já comprei tanta bobagem que me arrependi depois.

        Acho que se pudermos conversar um pouco e tirar algumas dúvidas, vou ficar mais tranquilo.

        Por exemplo, você fala de backtestes com o amibroker. Ele não é caro, mas também não é barato. E mais, quais as fontes de dados que você utiliza?

        Abraço!

        – # 17 setembro 2012 às 19:49
        Hugo Teixeira (author) disse:

        http://www.fbclick.com/wp-content/plugins/wp-o-matic/cache/0ad21_funny-animal-captions-bro-hug.jpg

        Eu que agradeço. 🙂

        – # 20 setembro 2012 às 14:22
        Hugo Teixeira (author) disse:

        Oi George,

        Das plataformas que se encontra por aí, o Amibroker é um dos mais baratos pois é “one-off”, você não é obrigado a ficar pagando mensalidade e nem nada.

        Eu uso as quotes EOD gratuitas da operação consultoria. Mas se você quiser quotes intraday, aí sim você vai precisar pagar pelo feed. Eu nunca encontrei quotes intraday gratuitas e acho que isso não existe. 😛

        ME EXPLICA SOBRE ESSE “AMIBROKER – QUOTES EOD GRATUITAS DA OPERAÇÃO CONSULTORIA”… O QUE SÃO? ELES SUBSTITUEM O “HOMEBROKER PAGO DAS CORRETORAS”?

        ABRAÇÃO!

        Responder
        1. Hugo Teixeira

          O Amibroker com as quotes serve para ver os gráficos com mais recursos. Não substitui o home broker, você ainda precisa pagá-lo.

          Você usa um programa tipo o Amibroker quando os gráficos da corretora são ruins, ou o ADVFN não ajuda muito ou você precisa fazer backtests. 😉

          Responder
  2. Salustiano

    Aí Hugo,

    Tenho uma curiosidade.

    Eu tenho feito operações utilizando apenas suportes e resistências, além de observar o número de negociações de um ativo (volume).

    Porém, sinto que estou em mãos alheias ao operar, pois toda informação que tenho com relação aos gráficos veem de corretoras.

    É possível personalizar as operações utilizando ferramentas (softwares) em que eu mesmo escolha os ativos ou é normal utilizar gráficos e outras ferramentas da corretoras?

    Pergunto isso, porque vejo traders fazendo análise de ativos e parece-me que eles próprios tem seus softs para desenhar médias, etc.

    Grato.

    Responder
    1. Hugo Teixeira

      Eu nunca uso os gráficos das corretoras. Fazem anos que eu nem tento ver.

      Aqui eu uso o Amibroker e quando eu preciso de acesso rápido e em tempo real das cotações eu uso o ADVFN mesmo.

      Como mencionei no outro post, o Amibroker é pago, mas o GrapherOC é grátis e muito bom. Eu recomendo. 😉

      Abraço,

      Hugo

      Responder
  3. Rodrigo

    Olá Hugo estou lendo seu blog a alguns meses estou gostando bastante !! Tenho algumas dúvidas aonde consigo acha esses livros k vc recomenda sobre a bolsa? E possível operar na bolsa sem Home broker ?? Abraços

    Responder
  4. Célia

    Hugo,

    Você fala que usa apenas a Base de Dados Consolidada da Operação Consultoria no Amibroker para tomar suas decisões, mas essa base tem um certo atraso em relação ao estado atual do gráfico de uma ação. Isso não te atrapalha? Ou no seu caso simplesmente não faz diferença esse atraso devido a fazer position trades?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *