Como a “Teoria do Caos” Pode Arruinar TODOS os Seus Investimentos 2

…Leia a parte 1 AQUI.

Você se lembra da idéia desenvolvida anteriormente de que os erros se propagam e que existe uma parcela do todo que não pode ser prevista por modelos ou habilidade mágicas?

Então, embora nem todos consigam diferenciar a teoria do caos de um confuso episódio de Heroes, a verdade é que infelizmente não existe nenhum Isaac Mendez da bolsa de valores capaz de prever a movimentação dos preços de ações,  opções,  futuros,  etc e tal…

Você pode nem saber quem é Isaac Mendez (obviamente esse é o momento em que você deverá consultar no Google, caso ainda não tenha o feito) mas o que realmente nos interessa é saber o que todo esse “caos” faz com os mercados financeiros e se existe alguma forma de driblar os problemas que surgem devido a ele.

Resumidamente e de forma simplista:

O caos é responsável por bagunçar os preços das ações e deslocá-los da sua suposta “ordem natural”.

Caso não existisse a componente caótica dos mercados você provavelmente teria de se preocupar apenas com o ruído na movimentação dos preços, carinhosamente chamado de volatilidade, fazendo com que os preços estivessem um pouco acima ou um pouco abaixo do preço “justo” calculado através de análises fundamentalistas dos mais diversos tipos.

Tudo Vai Bem Até Que… BOOM!!

Isaac, isso por acaso seria Wall Street??

Para o assunto não se tornar abstrato novamente, pedirei logo ajuda ao nosso amigo Bluga, que pode não entender nada de quadros mas é o melhor que temos por enquanto.

Sendo assim, contarei outra história com final triste.

Há algum tempo atrás Bluga começou a operar SHIT3, ações de uma empresa muito promissora no ramo de fertilizantes. Como o segmento de fertilizantes e a empresa em questão apresentavam bons desempenhos, Bluga experimentou ganhos consistentes operando o papel no lado comprador.

Não foi difícil para ele perceber que o papel tinha um comportamento super-hiper-mega-blaster previsível. Depois de subir algumas semanas, sofria uma correção até encostar na média móvel de 22 períodos e voltava a subir com força. Era tão fácil e previsível que o sistema de Bluga deveria funcionar para sempre, ou pelo menos enquanto o setor de fertilizantes continuasse aquecido.

Mas eis que de repente algo aconteceu!

Depois de encostar na média móvel e ativar o gatilho de compra, a cotação de SHIT3 continuou caindo, caindo e caindo… Bluga ficou desconfiado e então recorreu às suas análises, refazendo tudo de forma minuciosa. A empresa continuava indo bem, o último balanço divulgado recentemente era fantástico e o segmento de fertilizantes navegava de vento em popa!

Apesar de tudo isso, semana após semana a cotação de SHIT3 engatava cada vez mais em uma sólida tendência de baixa.

“Mas… mas… não é possível!! Porque isso está acontecendo??”

A realidade é que pode não estar acontecendo realmente nada de errado com o sistema do nosso amigo. O culpado pelo salto mortal na cotação do ativo pode ser simplesmente um bichinho pequeno e inocente, que no artigo anterior era apenas uma lagarta verde, mas se transformou em borboleta, bateu asas na Bovespa e jogou SHIT3 no ventilador.

Existe Alguma Forma De Prevenir Essa M… ?

Urrg... não invisto mais em SHIT3!!!

Agora sabemos que existem momentos nos quais vários fatores criam desequilíbrios entre as forças compradora e vendedora, alterando temporariamente a tendência dos ativos. Como ninguém pode prever quando esse tipo de acontecimento afetará drasticamente a movimentação dos preços, é preciso aceitar que esse tipo de fenômeno ocorre e que certamente irá interferir em suas operações.

Mas chegar ao ponto de aceitar que, mesmo utilizando o mais perfeito sistema de operações, nem tudo estará sob o seu controle o tempo todo, é quase um estado de arte. Os traders mais neuróticos são incapazes de aceitarem o fato de que não podem controlar o Senhor Mercado.

Se você conseguiu vencer essa barreira mental e chegou num ponto de aceitação (mesmo que parcial), já poderá começar a pensar em atitudes que possam te ajudar quando as bizarrices caóticas atingirem com força suas ações preferidas.

Certamente uma das melhores formas de proteção contra as incertezas dos mercados está relacionadas à robustez das regras de operação.

Mas como saber se as regras utilizadas hoje são robustas?

O primeiro passo é refletir se você ao menos segue ALGUMA regra clara de forma sistemática. Se a resposta for negativa, você deverá se preocupar antes em desenvolver um sistema básico de operação para depois pensar em idéias complexas como a teoria do caos.

No caso de já possuir um conjunto de regras para trades, a melhor dica é fazer com que essas regras sejam as mais simples possíveis. Aumentar demais a complexidade de um sistema geralmente não incrementa o seu retorno na mesma proporção e torna-o instável, suscetível à instabilidade do mercado financeiro.

A simplicidade é um fator importante e determinante. Mas a grande sacada para descobrir se as regras de operação escolhidas são robustas o bastante é avaliar se elas sobrevivem ao teste dos dados sintéticos!

WTF São Dados Sintéticos????

O astro do filme “Colheita Sintética”

Podemos dizer que os dados sintéticos, para o nosso propósito, são cotações de ativos que não existem de verdade mas foram gerados artificialmente em “laboratório”. Existem nos livros mais técnicos sobre o mercado algumas propostas para a geração de séries históricas aleatórias. Com elas geram-se preços de abertura, máxima, mínima e fechamento.

Cada uma dessas propostas corresponde a uma fórmula com determinadas premissas e suposições. No entanto, todas as sugestões de fórmulas desse tipo partem do mesmo princípio, de que no ativo sintético é possível observar a movimentação do preço e verificar que ele se comporta de forma similar à movimentação de preço dos ativos da vida real.

A principal diferença é que nos ativos sintéticos NÃO EXISTE a psicologia de massas ou forças compradoras e vendedoras, apenas uma fórmula matemática movimentando o preço através de funções aleatórias.

Uma fórmula bastante simples para geração de dados sintéticos foi proposta por Tushar Chande em seu livro-de-nome-comprido-porque-assim-impressiona-e-vende-mais “The New Technical Trader: Boost Your Profit By Plugging Into The Latest Indicators”. Tomei a liberdade de implementar essa fórmula em Excel e deixar disponível para download neste link aqui.

Experimente gerar diferentes séries e perceba como os gráficos se parecem com os de ativos reais: padrões gráficos, suportes, resistências e etc.

Está tudo lá, tudo bem que nada é real, mas poderia ser. Grave várias dessas séries em planilhas e utilize o seu conjunto de regras para operar essas novas “ações”. Observe como os trades se desenrolam em um mercado livre da psicologia de massas, sem praticamente nenhuma premissa de movimentação. Compare esses trades com os gerados em ativos reais.

Caso o seu conjunto de regras, ou trade system se preferir, for capaz de ao menos ficar no zero a zero operando ativos sintéticos, então ele será robusto o bastante para aguentar o tranco da parcela aleatória do Senhor Mercado e terá boas chances de trazer ganhos consistentes se aproveitando das partes não aleatórias.

Manter-se vivo no mercado é a sua única chance de obter algum ganho no final do expediente e nesse aspecto a Teoria do Caos pode ser uma boa aliada.

Apenas faça a lição de casa. 😉



Descubra Como Conquistar a Sua Independência Financeira Em Apenas 10 Anos Investindo Só R$200 Por Mês!

Você vai descobrir...

  • Porque as maneiras mais populares de se atingir a independência financeira só estão fazendo você perder tempo (e oportunidades).

  • Quanto tempo você realmente tende a levar para atingir a sua independência financeira.

  • Porque a bolsa de valores pode acelerar a sua acumulação de capital em mais de 2x com toda a segurança do mundo.

  • O quê fazer para conquistar os seus objetivos da maneira mais rápida, fácil e simples possível.


15 Comentários Como a “Teoria do Caos” Pode Arruinar TODOS os Seus Investimentos 2

  1. José Carlos

    Bem interessante essa forma de criar preços aleatórios.

    Vou fazer uns testes e ver como meu sistema se comporta com esses preços artificiáis.

    .

    Responder
  2. Paulo

    José Carlos,
    faça os testes tendo em mente que o seu sistema deve perder performance dependendo da série gerada mas não pode ser uma porcaria total. Se acontecer de ele ser péssimo está faltando alguma coisa para pelo menos impedir o sistema de gerar trades em um mercado contrário.

    Daniel,
    você está certo. Atendendo ao seu pedido agora a planilha está em formato XLS.

    Responder
  3. roger_rabbit

    Uma pergunta, meu caro: esse sistema gera realmente séries aleatórias? (ainda q eu tenha visto as funções aleatorio() do excel lá)
    Se sim, como “explicar” o visível padrão nas series (mesmo apertanto F9 varias vezes)? Na minha opinião, para ser RANDOM mesmo, teria que estar um pouco mais dispersa essa distribuição… ta parecendo mais é q ele esta embaralhando os tipos possíveis de subidas e descidas (não vi gaps imensos, não barras gigantes… há algumas regras nesse seu sistema “aleatorio” ai, não tem não?….)

    vc poderia nos passar os detalhes do pq os calculos são feitos assim?

    se vc realmente conseguir me provar q isso é aleatorio, abandono a análise técnica hoje mesmo!!! já viu varios OCOi com confirmação nesses graficos, huauaha

    obrigado

    Responder
  4. roger_rabbit

    outro problema que esse seu sistema tem é q ele assume valores negativos para o ativo. Na pratica observa-se a tendência de congestinar em 0,01-0,10 reais as empresas falidas…
    Vc pode tentar consertar isso colocando um IF clause, mas aí deixa de ser aleatório, hehheee

    Seu post é interessante! mas ta complicada essa historia.
    abraço

    Responder
    1. Paulo

      Olá Roger_Rabbit!
      Bem, primeiramente essa fórmula não é invenção minha, mas sim proposta pelo Tushar Chande no livro que eu citei acima.
      Eu ainda posso falar mais sobre dados sintéticos em outro artigo, e inclusive mostrar outras sugestões de como gerá-los, mas vou esclarecer aqui rapidamente alguns pontos.

      Quanto aos seus questionamentos:
      1) Sim, apesar de existir uma pequena suposição acerca dos limites de volatilidade (falarei abaixo) essa função gera movimento de preço aleatório;
      2) Sim, os padrões gráficos estão presentes e foram gerados de forma aleatória. Simplesmente um movimento qualquer de preço é capaz de gerar figuras que nossos cérebros pensam ser padrões. Essa, na minha opinião, é o grande argumento contra a AT.
      3) Quanto às “regras” do sistema aleatório: o fechamento atual é acima do anterior com probabilidade 0.5, ou seja, joga a moeda pra cima e se der cara será um pregão de alta, se der coroa será de baixa. Para a volatilidade apenas é sugerido um valor limitante e a partir disso aleatorizados os valores de Fechamento, Max e Min da seguinte forma (para o exemplo onde fixamos R$3, como no arquivo):
      a. Fechamento Atual estará distante entre R$0 e R$3 do fechamento anterior (qualquer valor é equiprovável)
      b. Mínima Atual estará distante do Fechamento Atual entre R$0 e R$3 do fechamento atual (qualquer valor é equiprovável)
      c. Máxima Atual estará distante do Fechamento Atual entre R$0 e R$3 do fechamento atual (qualquer valor é equiprovável)
      Como você pode ver, esse valor arbitrário de 3,00 é o que determina a volatilidade máxima. É apenas uma sugestão e pode ser alterado, bem como o start do preço de R100,00.

      4) Os valores negativos acontecem. Infelizmente o autor permitiu isso em sua fórmula. Com o valor inicial em R$100, em algumas séries pode-se observar preço negativo depois de um tempo. Iniciando com o preço em 100 e o parâmetro de volatilidade em 3 isso ocorre pouco. Eu tenho fórmulas modificadas a partir dessa, que contornam o problema, mas no artigo preferi falar sobre a idéia original (e mais simples) publicada pelo autor.

      Se houver interesse pode ser escrito um artigo inteiro dedicado ao assunto. Existem outras sugestões de como gerar dados sintéticos. Essa é uma forma bastante “random”; existem outras menos.
      Espero ter ajudado e qualquer coisa pode perguntar. Você também pode abrir um post no fórum, se preferir.

      Responder
  5. Pedro

    Great job!

    Eu já usei muito isso para poder simular a consistência de sistemas… É interessante, mas segundo o Taleb no livro Black Swan, tudo isso tem pouco valor, pois seria como analisar a grama e ignorar uma árvore, por exemplo, dado que ele fala sobre o impacto do altamente improvável.

    Na falta de algo melhor, ainda continuo desta forma, mesmo sabendo que eu posso estar enxergando o que eu queira ver. 😉

    Abs!

    Responder
  6. vitor

    Fala Paulo, Blz?

    Legal o post, tem como você pensar na idéia de fazer um post explicando e dando um exemplo doque seria uma trade system simple e robusto, pra a gente que é newbie saber?

    Valew

    Responder
  7. roger_rabbit

    Cara, legais as informações q vc passou! Mt obrigado.
    Realmente agora tb estou convencido de que AT (feita de maneira cega, ou seja, sem acesso às notícias/fatos e tendencia do mercado) é uma falácia.

    Sinceramente, acho que você deveria sim abordar isso em um post posterior. Não com o intuito de arruinar a vida dos traders por ai, mas pra alertar mesmo q nesse mato tem cachorro.

    Afinal, certeza mesmo não dá pra ter de nada… Precisariamos ter um planta servindo de grupo “controle experimental” para poder falar alguma coisa com certeza. um nao, varios, hehehe

    abraço

    Responder
  8. velaepavio

    Fala Paulo,

    Muito bem escrito e excelente pesquisa que fez e faz sentido, mas sinceramente saber que existe ou nao o caos faz alguma diferenca absurda no seu trade?

    Tipo acho que a melhor parte do artigo foi que nao importa quao robusto for seu sistema ANYTHING CAN HAPPEN!!!

    Tipo os caras do LTCM que eram PDH premios nobeis e achavam que estavam arrazando no seu sisteminha de opcoes. Tipo aconteceu um evento FAT TAIL e os caras evaporaram e questao de dias.

    Enfim tem que ser humilde com o Senhor Mercado e admitir que nao importa o quao robusto for seu sistema respeite o e gerencie risco bem conservadoramente.

    Responder
  9. Paulo

    Pedro,
    obrigado pelos elogios. Quanto ao livro que você citou, eu não tinha ouvido falar até agora, e pelo pouco que pesquisei parece tratar sobre eventos raros ou impossíveis de se prever. O artigo que escrevi não é sobre eventos raros mas sim sobre algo que acontece todos os dias nos mercados e zoneia as possíveis análises “lógicas” que venhamos a fazer.

    Vitor,
    parece que apesar de ser mais complicado e totalmente “outlier” o artigo gerou interesse. Vou considerar essa comparação mais pra frente. Quem sabe comparar um sistema comum contra ele mesmo adaptado usando dados sintéticos. Pode ficar legal. Valeu pela dica.

    roger_rabitt,
    é isso mesmo. Não é para arruinar a AT, longe disso. Ela é válida se usada com bastante cuidado. Em geral traders 100% viciados em AT atiram pedras sempre que houvem falar em aleatoriedade, mas é importante entender que ela existe de monte na vida e nos mercados. Valeu pela audiência. rs

    velaepavio,
    obrigado pelos elogios. Estendo eles ao seu blog que é também “técnico” sem deixar de instruir os novatos.
    O meu intuito com o artigo é o de fazer a galera pensar extamente o que você falou: depois que você compra uma ação pode acontecer QUALQUER coisa e não importam mais suas análises anteriores. E o pessoal precisa ver que isso não é do além, é normal.

    O que eu faço? Bem, certamente não existe o sistema perfeito, robusto e infalível. O que existe são centenas de sistemas que funcionam apenas quando o mercado comporta-se de determinada forma, em geral da forma em que ele foi testado. Eu tento usar dados sintéticos para validar os modelos que faço, arrancando na marra a psicologia de massa e outros fatores. Se o modelo não me ferrar, destruir minha conta ou algo do tipo, digo que ele pode ser considerado uma opção para o mercado real. Se ele mandar bem nos últimos 5 anos mas não suportar as séries geradas aleatoriamente, busco modificações e testo de novo.

    Obrigado a todos.

    Responder
  10. renan

    olá paulo!, parabens pelo artigo!
    Realmente quando vc compra uma ação, o trader tem de estar disposto a aceitar que qq coisa pode acontecer, por isso ele é um tomador de riscos, é o cara que “paga” pra ver o que vem depois. Logicamente ele tem um palpite que dá a ele um edge no mercado, que pode ser alto ou nao, permitindo um maior ou menor position. Por isso, ser flexivel nessas horas é uma grande qualidade de um bom operador pra assumir que deu errado e vazar.
    Quanto ao caos, existem algumas pessoas que veem o mercado como uma soma de ordem e de caos buscando sistemas que peguem a parte “ordenada” do mercado. Ao meu ver, os movimentos em geral são sempre caóticos. Digo isso porque uma precificação pode ser feita com um erro para mais ou para menos, e isso vai depender do humor dos participantes. Então as vezes o que nossa mente vê como um padrão regular, é nada mais que uma propagação de erros. Por exemplo, se vc tem um ativo que esteja subindo, os touros tendem a comprá-lo por um preço maior que o preço vigente, criando um erro de centavos na precificação do ativo. Esse desespero em comprar por preços maiores pra entrar no rally, faz com que esses pequenos erros de centavos sejam propagados criando uma alta considerável, e sem um preço final previsível. O que to querendo dizer na verdade é que o mercado no geral é muito caótico, e as vezes tendências de alta não são nada mais do que erros propagados em uma unica direção, uma vez que quando o mercado está decidido, ele acaba errando a precificação mais em uma direção que em outra.

    Responder
  11. Daniel Silva

    O artigo é sensacional, aborda um tema muito importante que muitos traders insistem em ignorar e devido a isso é difícil conseguir uma discussão sadia sobre o assunto. Acredito que haja certa dificuldade de tratar o tema de forma abrangente por este ser muito amplo. Vejo a análise técnica como uma ferramenta para conseguirmos captar a parte psicológica do mercado, tentando deste modo obter a intenção da maioria e consequentemente a direção do mercado (e torcer para que essa intenção prossiga por mais algum tempo). Não compreendi a fundo a fórmula utilizada nos dados sintéticos, caso os mesmos sejam gerados de forma aleatória, como é possível extrair alguma informação deles? Isso inviabilizaria o trade system. O aleatório é a personificação caos, não há como compreende-lo, e se a AT for utilizada para isso dará apenas a falsa sensação de se estar vendo alguns padrões. Gostaria de compreender melhor o uso destes dados sintéticos no aprimoramento dos nossos sistemas.

    Não sei se cheguei atrasado para fazer meu comentário, espero que não.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *